domingo, 31 de agosto de 2008

Alguns detalhes...

Bom, pensando no que já postei aqui e no que falta postar, vou falar de alguns detalhezinhos que foram surgindo (e que já foram resolvidos, ufa!) no meio do caminho pro casamento.
Antes disso, o nome da loja do vestido tá no site do meu casamento. É na São Caetano e espero, sinceramente, poder postar elogios aqui depois e indicá-la (com as devidas ressalvas, claro) para futuras mocinhas casadoiras. Que tudo dê certo e não restem mágoas. É só isso que espero.
As lembrancinhas, depois de muito rodarmos, mandamos fazer nas imediações da 25 de março mesmo. O nome do lugar, se não me engano, também está no site. Estou tentando matê-lo atualizado com todos os fornecedores. A loja tem uma infinidade de lembrancinhas, para todos os gostos, estilos e bolsos. Gostei demais do atendimento e tudo o que pedi foi feito de forma primorosa. O porta recado que estava como amostra era todo branco, com detalhes em prata. Pedi a base em amarelo, os detalhes em dourado, para combinar, e mudei também a cor dos cabelos dos noivos, pois o meu é um pouco mais claro que do noivo. Ficou tudo perfeitinho, como havíamos pedido. E achei que ficou mais bonito que eu poderia sequer imaginar.
Além disso, a moça que faz os biscuits para a loja foi extremamente atenciosa, ligou avisando que atrasaria uns dias (mesmo estando dentro do prazo que a loja deu) e, depois, ligou dizendo o dia em que as lembrancinhas estariam na loja (antes mesmo do prazo que havia acertado com a loja). Recomendo mesmo. De qq forma, a loja fica em uma galeria escondida numa travessa da 25 de março, perto da igreja ortodoxa que muita gente nem percebe que existe. Essa galeria é repleta de lojas de lembrancinhas para casamento, debutantes, aniversários e nascimentos de todos os tipos. Tem muuuuuita coisa mesmo e vale à pena passear por todos os andares.
Já os noivinhos de biscuit, mandamos fazer em outro lugar. Aliás, preciso até mandar as fotos do vestido (ainda que meio errado) pra moça por email. Procurei em milhares de lugares e sempre achava um defeito. Aqueles "superpersonalizados", que são uma espécie de caricatura, além de muito caros, em alguns casos chegam a ser meio grotescos até. Outros, eu achava muito cabeçudos, com os detalhes feios e etc. Acabei encontrando a Rita, que tem um ateliê no bairro em que sempre morei em São Paulo (pirituba) e fui lá ver o trabalho dela pessoalmente. Perfeito. Tudo muito bem acabado. Posto depois, aqui, os contatos dela. Mas acabei fechando isso só no final de Julho, quase, quando já não aguentava mais olhar topos de bolo por aí tb...hehehe
Para a retrospectiva, a Cimagem nos forneceria um telão se a festa não fosse de dia, o que prejudicava muito a projeção, diante da luminosidade. Aí, acabamos fechando um par de tevês de plasma com o Valdemir, recomendado pela própria Cimagem. Fizemos uma pesquisa no mercado e o preço da locação que ele ofereceu realmente foi campeão. Espero que fique legal!
Resolvemos, também, pagar R$ 2,00 adicionais por convidado e substituir a sobremesa pela cascata de chocolate, com frutas e sorvete, direto lá no Espaço Itália mesmo. Lá também fechamos as faixas que indicam o caminho para os convidados. Optamos por colocar apenas da zona norte, pois não conhecemos ninguém que possa seguir pela Fernão Dias. A diferença era de R$ 50,00, mas que fazem falta em um ou outro detalhe que acertamos para a festa.
Sobre a lista de presentes, a lua de mel, o dia da noiva e as bebidas, posto depois com mais calma, pra contar direitinho toda a epopéia que foi pesquisar, decidir e contratar algumas coisas (outras nem tanto...) e as vantagens ou desvantagens do que conseguimos contratar.
Beijocas mil!

O Stress do Casório...

Causou a perda da minha câmera mesmo, infelizmente. Não encontrei em lugar nenhum. Lembro de ter colocado na bolsa. Pode ter ficado no táxi, mas só Deus sabe... O taxista disse que não encontrou. Fazer o que?
Tô arrasada mesmo. Com casamento e viagem de lua de mel, preciso comprar outra correndo. O duro foi ter pago ela em dez "suaves" prestações sem juros no cartão de crédito. E ter sido quase a primeira coisa que eu e o noivo compramos juntos. O valor sentimental é inestimável...
Triste, mas a vida continua.
Obrigada pela torcida de vcs, mas não deu... :o(
Bjks.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Arrasada...

Poxa, tô meio de luto, pois acho que esqueci minha câmera fotográfica, com as últimas fotos que postei no blog ainda nela, cartão de memória, 04 pilhas recarregáveis, cabo para descarregar fotos, capinha e tudo mais em um táxi ontem pela manhã....
Fui viajar a trabalho e coloquei ela na minha bolsa, mas nunca mais a encontrei. Cheguei em casa quase agora e minha esperança era ter deixado acidentalmente em casa. Não encontrei... :o(
Corrente de pensamento positivo pro taxista ser honesto e me devolver a máquina, por favor.
Nem tenho condições de postar. Depois, coloco não só o nome da loja do vestido aqui, como um check list atualizado de tudo que contratamos pro casamento, juro.
Bjs,
Gabi

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Lembrancinhas

Como eu havia dito, contratamos as fotolembranças com a empresa de foto e filmagem (Cimagem).

Mas dar só as fotos poderia ficar meio sem graça... Aí, pensamos em um porta retrato que fosse bonitinho e tivesse a ver conosco.

Apesar do grande número de possibilidades, seja pela internet, na São Caetano ou na 25 de Março, confesso que não foi nada fácil encontrar. Coisas caras e bonitas, baratas e sem graça ou sem qualidade, gente sem palavram, stress e confusão total. Quando fechamos, ficamos num dilema tão grande, que eu queria era chamar minha mãe. Pelo telefone mesmo...hehehe

Mas consegui convencer o Vitu a economizarmos uma quantia raozável encomendando os porta retratos menores, que era bem mais baratos. Porque fazíamos questão de ter os noivos em um avião, pra combinar com nossa história de ponte aérea... Mesmo porque nem poderíamos contratar os maiores. Juro que depois conto tudo direitinho, tentando lembrar de tudo.

O resultado foi que vimos o mostruário todo branco. Tivemos a idéia de colocar a cor da decoração. O Vitu queria o avião colorido, eu achava que o avião não tinha razão de ser. Sugeri a base. E o resultado foi lindo! Amamos! O pessoal da loja mesmo gostou bastante!!! Ficamos muitissimo felizes com os porta retratos que, na verdade, são porta recados, né?!

Seguem as fotos:



Cardápios

Sobre os cardápios que falei para o casamento, imagens valem mais que quaisquer palavras:

Clicando na imagem, dá pra aumentar um pouco mais. Só não sei se é possível ver o desenho do noivo de óculos...hehehe

Tudo, Susana Fujita.

Habilitados!

Ah, esqueci de dizer que estamos finalmente habilitados para o casório! Ueba!!! :o)



O noivo foi no sábado de manhã levar a certidão de habilitação lá em Mairiporã...

Vale por 90 dias. Não sei se escrevi 90 ou 60 antes, mas agora é certeza que são 90.


O Vestido - parte II

Espero que essa novela termine logo pq já adianto que mais um capítulo eu não aguento não...
Como eu acho que já disse, na hora de vender o povo dessas lojas de vestido se rasga todo. Me disseram que eu escolheria entre várias rendas e me trouxeram uma. Não quis ficar muito confusa, aquela mesma tava boa. Depois, que eu veria vários bordados. Vi um. Gostei. E quando fui provar de novo o vestido, ele continuava igualzinho. E com bordado diferente, todo prata.
A renda tava toda cortadinha, numa caixinha, com o bordado todo errado, mas estava. Eu já não botava muita fé não, mas blz. Vai ver foi até por isso que acordei passando mal ontem.
Achando que o vestido não estaria "no talo", liguei semana passada pra confirmar a prova, saber se tava tudo certo. Meio que como uma forma deles adiantarem o vestido. Eu iria ontem pela manhã, mas acabei indo na hora do almoço. Como chegamos 12:30, pediram pra aguardar até as 13hs. Fui dar uma volta e tomar um chá gelado enquanto isso. Voltei. Colocaram eu e minha mãe lá no fundo da loja, em um lugar que eu nunca nem tinha reparado que existia. Ficamos lá esperando por uma meia hora.
Nesse meio tempo, a vendedora que me atendeu (e que já tinha me oferecido um conjunto de bijus com cristais antes - esse episódio merece um post melhor depois) veio falar com a gente, super simpática e perguntou se eu já tinha resolvido os brincos. Como eu já tinha, ela não perdeu nem mais cinco minutos, deu meia volta e sumiu.
Esperando, eu só ouvia barulho de máquina. Comentei com a minha mãe que eles deveriam estar ajustando alguma coisa...

Quando o vestido desceu, sinceramente, era outro.... Pfff
O forro até podia ser o mesmo, mas a renda em cima era outra, completamente diferente. Sabe quando vc mal tem forças? A primeira coisa que eu disse era: bonito, mas não foi essa a renda que eu escolhi!
Experimentei o vestido, elas marcaram os ajustes. E eu perguntei da renda. A sorte é que lá tem uma vendedora realmente muito gente fina, que disse que isso não era problema. Eu disse que era uma renda richelieu e ela me trouxe duas amostras, disse que teria mais. Escolhi uma renda francesa que eu, sinceramente, achei até mais bonita que a renda anterior.
O estilista havia desenhado uma faixa no quadril que eu não tinha curtido muito, mas como seria removível, achei melhor pagar pra ver. Aí, as moças pegaram uma faixa de cetim grossa, bem bonita e colocaram embaixo do busto. Perguntei se não era em outro lugar e a moça colocou no quadril. Ficava bem pior, sinceramente.
Falei pra deixar embaixo do busto, que eu penso direito como (e se) vou usar depois. Até gostei da faixa. Mas tudo bem que o vestido já é outro completamente diferente.
Aí, uma moça me perguntou se eu iria querer a abertura que tinha na renda do vestido, como no desenho. Sim, porque a renda, que já tava toda errada, veio fechada. Acabei até desistindo, disse que não precisava não. Melhor não complicar muito, né?!
Falando sério, não sei qual é o problema desse povo. Não é só nessa loja, não foi só comigo, sei que isso acontece a todo o tempo. Li várias histórias a esse respeito e já sabia que isso podia acontecer. Mas sabe quando a gente não consegue acreditar? Fica se perguntando o que se passa? Minha mãe ficou "bege" tb. Parece que esse povo não presta atenção, não anota, faz tudo de qq jeito... É o famoso "se colar, colou".
O resultado foi que marquei mais uma prova pro dia 06/09. Isso pq eles queriam que fosse durante a semana, mas eu já perdi um dia de trabalho pra me deparar com aquilo. Mas um, nem rola. Disse que dia 17/09 estou em SP e posso ir lá todos os dias, se for preciso, mas antes, chega!
Minha vontada é, sinceramente, se no dia 06 o vestido estiver daquele jeito ou diferente, ou sei lá (tudo pode acontecer) é rescindir o contrato. Fácil. Eles que me devolvam o dinheiro, que eu me viro com qq vestido, em qq lugar. Não é a primeira história que soube de lojas que empurraram o vestido de qq jeito pras noivas. O pior é que uma ou outra, mais desesperada, aceita. Sinceramente, eu prefiro casar de roxo ou até de preto se for preciso.... hehehehe
Vamos ver. Agora, a onda é a corrente pelo bem do vestido até dia 06/09. Minha mãe pegou a foto da renda que eu escolhi (pq eu já tava meio escolada mesmo) e disse que vai lá essa semana. Eu ia ligar hj, mas não deu tempo. Vou ligar lá pra saber como vai o vestido e, de preferência, falar com o gerente (se tiver) ou dono da loja, explicando que é melhor que esse vestido esteja bom e bem adiantado, porque quero retirar ele uma semana antes do casamento. E tenho dito!

A Sandália

Então, seguindo a série "coisinhas do meu casamento", essa é a sandália:


O noivo vai ver, mas td bem. Fazer o que?!

A questão é que comprei a sandália correndo, porque até então não tinha provado o vestido com a sandália certa, pra fazer a barra.... Pessoa devagar, né?!

Sanfona...

Eu achei que tinha emagrecido bem. Mas já acho que engordei demais.
Alguém, além de mim, tá nessa sanfona de engorda-emagrece pro casamento? É um misto de correria com ansiedade e, juntando isso com trabalho, fica difícil fazer dieta, exercício e tudo mais....

O fim de semana mais cansativo "ever"....

Ah, meninas, muito obrigada! Adorei as mensagens! Também curti mais o blog assim. Ficou mesmo mais clean e eu queria torná-lo branco. Mas vou ver se consigo um template mais fofo um dia desses. Esse é meio impessoal demais....hehehehe
Enfim. Esse fim de semana foi duríssimo. Desde Janeiro, com certeza o mais cansativo. Vou contar de tudo e depois posto só sobre o bendito vestido. É incrível como a gente sabe que as coisas vão dar dor de cabeça, né?!
Bom, o final de semana começou, só pra variar, no aeroporto... Tive que pegar um vôo à tarde pra Guarulhos, pelo preço e em parte pela comodidade. Iríamos assistir a um casamento civil no Espaço Itália pra ver como o pessoal do cartório de Mairiporã faz a cerimônia. Só que sexta é rodízio do Vitu.
Cheguei cinco e pouco. Minha mãe foi pra lá tb. Tomamos um café e fomos pro Espaço Itália. Super aventura, entrar em SP e ir pra lá sem pegar a marginal ou o centro expandido, tudo 'por dentro'. Até que deu certinho.... Chegamos cedo demais. E o casamento atrasou. Fome, frio. É o sacrifício que fazemos pelo casório, né?!
No sábado de manhã, fui pro centro. Comprei um conjunto de brincos e uma correntinha lindos. Achei que uma jóia sairia muito caro, mas fui ver se comprava pelo menos um par de brincos legais, pra não usar só bijus da 25 de março. No fim, acho que nem saiu tããão caro. Claro que tive que pagar à vista pra pegar um descontão. Isso foi meio inesperado, porque queria pagar no cartão de crédito (assim tb ganho milhas), mas tudo bem.


Pesquisamos alianças. Muito difícil. Os preços do centro não são tão distantes dos preços das joalherias que vimos em um shopping no ABC. Os modelos variam horrores, mas mais que isso, a qualidade varia demais. Tem aliança fina, com ouro escuro e aliança mais pesada, com ouro mais reluzente e tudo mais.
Deu tempo de almoçar em casa ainda. Ufa! No final da tarde, ainda tivemos que passar no salão, pra saber como ficaria o contrato diante do cabeleireiro ter saído de lá. Eu tava até pensando em rescindir, mas cheguei lá, fui super bem atendida, falei com a cabeleireira, super fofa, simpática, bonita e bem maquiada e vi a noiva que ela fez, que ficou incrível. Aí, combinei de fazer um pré-teste com ela na segunda e ela topou me atender, mesmo com o salão fechado. Fofa ao cubo.
De lá, ainda fomos voando pro tatuapé (detalhe: estávamos em santana), pra fazer degustação de vinhos. O lugar em que fomos é incrível. Adorei a loja logo que entrei. Fomos muito bem atendidos. Até demais. Bebemos mais do que deveríamos, eu acho. Eu disse pro vendedor que era um golpe, embebedar a gente pra fecharmos o contrato. Mas no fim fechamos mesmo. Depois conto a epopéia das bebidas. Mas o final foi super feliz. E depois de fecharmos o contrato, mesmo sabendo que não iríamos comprar mais nada, continuamos "sendo agradados". Resultado: saímos de lá 22hs. Estávamos na loja desde as 19:30 e lá fecha às 20hs. Dá pra acreditar?
No domingo, passamos no Versolato, pra conversar sobre as músicas da cerimônia. Trocamos boas idéias e fiquei de mandar pra ele a relação por email. Depois posto aqui direitinho. Ainda tô definindo como exatamente vai ser a entrada de todo mundo.
Mas a correria sempre continua.... Saímos muito cedo do Versolato e já tinha miado um almoço com umas amigas pra entregar os convites. Passei no banco e consegui (coisa rara) voltar pra casa e almoçar com a minha mãe. Tentei o final de semana todo entregar alguns convites, mas as pessoas insistiam em não atender telefone e não estar em casa. Aproveitei, então, pra passar super rapidamente no churrasco de aniversário de uma das minhas madrinhas. Vi minha foto lá depois e fiquei espantada com a minha cara de cansada. Credo!
De lá, corremos no shopping Ibirapuera pra buscar o terno do noivo, que estava sendo "reajustado". Depois, fomos na casa de uma amiga pra entregar os convites pra ela e pra outra amiga, que foi lá tb. Foi ótimo, pois conseguimos conversar bastantão e botar todos os assuntos em dia. E isso é super relaxante.
Na segunda, aproveitei que tinha prova do vestido e marquei um monte de coisas em São Paulo, já que ia estar por lá mesmo... Tinha médico 08:45, atrasei e ele atrasou ainda mais. Saí do Pacaembu às 10hs, hora em que eu deveria estar na dentista na Lapa. Peguei um táxi e cheguei atrasada, pra variar. Minha mãe me pegou lá e fomos pra bendita prova do vestido. Chegamos 12:30 e tivemos que esperar pq era hora de almoço. Pula essa parte, pra fazer suspense! hehehehe
Da São Caetano, fomos pra Santana pra fazer o pré-teste com a cabeleireira. Detalhe: acordei e passei quase o dia todo passando mal, com dor de barriga mesmo. O dia inteiro na rua, horrível. Só melhorei mesmo no salão. Não sei se eu relaxei, o que aconteceu, sei que até o almoço, às 15hs, por mais leve que tenha sido, pesou. Vai ver era stress mesmo...
Sei que o pré teste foi bem legal. A maquiagem ficou bonita, bem leve e o cabelo super trabalhado e bem descolado. Claaaaaaro que não foi a prova definitiva pro casamento. Foi só um teste pra eu conhecer a Alessandra e ver se gostava do trabalho dela. Eu gostei. Olha só:

Por mim, até casava com esse cabelo mesmo...hehehehe O noivo é que ficou espantado. ;o)
Ah, pena que ficou pequena a foto e não dá pra ver a maquiagem.... :o(

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Blog de cara nova...

Mudei o template. Mas não resolveu muito não, infelizmente. O texto continua sem os espaços que dei entre os parágrafos e ganhou espaçamento entre as linhas...

A solução eu já tô vendo. É reaprender a mexer com aqueles códigos de html malucos pra postar direitinho. Já vi que o negócio é a edição em html do blogger...
Depois volto com mais reflexões sobre o vestido.

Bjks.

A novela do Vestido...

Ah, claro, o que todas as noivas costumam achar a coisa mais importante do casamento, pra mim era só um vestido...
Aí, imagina só a dificuldade que é procurar algo básico, discreto, bom-bonito-e-barato, sem frescura, frufrus, babados, etc, etc, etc... Quase missão impossível!
Mas sobrevivi. Não sem alguns arranhões...hehehe
Queria usar um vestido tomara que caia bem básico, com uma saia mais "esvoaçante" até o joelho. E nada de branco, um pérola no máximo. Coisa prum casamento discreto, pela manhã, no campo. Pensem se eu consegui encontrar algo assim. De jeito nenhum!
Como sabia que seria difícil, pensei em ir visitar umas lojas, pra ter algumas idéias e mandar fazer do jeito que eu quisesse. Também precisava ver vestidos com "cara de noiva" e experimentar um ou outro pra ter certeza que não queria nada disso pra mim... Doce ilusão achar que eu ia conseguir ter alguma idéia e mandar fazer calmamente.
Fui só duas vezes na São Caetano, com a minha mãe, companheira inseparável! Da primeira vez, deixamos o carro na Nova Noiva, mas como só tinha horário umas duas horas depois, o carro pôde ficar lá "na faixa".
Durante a espera pra ser atendida lá, passamos por algumas lojas. Em umas duas menores, vi que poderia fazer o vestido como quisesse, que eles pareceram bem compreensivos. Já em outras...
Só pra ilustrar o "drama", nenhuma loja curtia muito a idéia do vestido curto, só pra começar, porque, óbvio, nenhuma delas tem vestido curto, só 'bolo de noiva'... Em uma das lojas, depois da vendedora tentar me convencer que não poderia usar um vestido curto, eu disse que queria experimentar um vestido bem básico, simples, sem muita cara de noiva, só pra saber se não queria mesmo algo assim. Beleza.
Ela pegou um vestido até bonitinho, branco, tomara-que-caia, com um bordado coloridinho na frente. Achei que ele nem era armado. Até ela colocar a porcaria do saiote em mim... Já não gostei da brincadeira.... O vestido ficou gigante! Com uma cauda enooooorme! E ainda tinha aquelas fitas nas costas que a mulher apertou até...
Resultado: a pessoa imóvel, com um montão de pano em volta de mim, sufocada, praticamente sem fôlego! Pense se seria possível andar, comer, beber e - imagina só a dificuldade - fazer xixi!
Aí, a vendedora, carregando a cauda, ainda me fez levantar a saia do vestido e andar pela loja com tudo aquilo até um "pulpitozinho" em frente ao espelho, mostrando a "belezura" pra minha mãe e até uma bicha da loja veio dizer que eu tava "tudo de bom" e coisas do tipo.
Juro, estava surda e cega de fúria. Fui até o lugar reclamando que ia gastar uma fortuna com a festa e não poderia nem comer nem beber com aquilo tudo, muito menos dançar e - socorro! - ir ao banheiro... Credo!
Só lamento, mas tive a certeza absoluta que isso não tem nada a ver comigo mesmo! Quando a vendedora disse que ia buscar outro, acho que fui tão grossa, que quase gritei com ela que não precisava e que era pra tirar aquilo de mim "agora!". Sério, me senti a Carrie Bradshaw, no Sex in the City, sufocada com o vestido de noiva. De verdade!
Depois, na Nova Noiva (http://www.novanoiva.com.br/), a impressão passou. Experimentei algumas coisas até que o vestido mais basicão de lá, o "base" ficou bem legal em mim e eu passei a considerar a possibilidade de usar um vestido de noiva, branco, comprido e até com uma micro cauda... Só que queria renda, mas teria que aplicar a algum modelo dos vestidos de lá.
Por falar nisso, mais um parênteses: antigamente (ó, que pessoa "velha"), todas as lojas da são caetano tinham estilistas que desenhavam o vestido que a pessoa queria e faziam ele com a sua cara. Hoje, o negócio é que todas as lojas têm sua coleção própria. Então, os vestidos são aqueles modelos só, que comportam algumas pequenas modificações. Deve ser porque o povo prefere fazer primeiro aluguel ou segundo mesmo. Mas é ruim pra quem não gosta de nada daquilo...
Enfim, na segunda vez que fui na São Caetano, comecei andando pelo fim. Na primeira loja, experimentei vestido, foi aquela pressão toda (eles sempre acham que baixando incrivelmente o preço vc vai gostar mais do vestido, fora que os preços me parecem moldados "de acordo com cliente", quanto menos informações a gente der, melhor, ou não...). Na segunda, acabei ficando. Tinha o que eu queria. Um estilista que descobriu, no meio de milhares de revistas, exatamente o vestido que eu disse que tinha gostado e que queria algo parecido com algumas modificações.

Depois de achar o vestido, ele desenhou o modelo do jeito que eu queria. Fiquei usando um vestido lá por horas. Mexeram no meu cabelo, me deram o buquê (na Nova Noiva tb) e até andar com a marcha nupcial ao fundo eu andei, de véu e tudo, acredita? Um micão. Coisa ridícula. Mas, enfim, eu estava em um dia inspirada e não estressei, por incrível que pareça.
Aí, a mágica foi a redução do valor do vestido de 5800 pra 2500, em mil prestações, pra compra. Incrível. Não queria fechar lá não, viu?! Porque tinha agendado hora praquela tarde mesmo na Belle Sposa, que tem os vestidos da Maggie Sottero, de quem falei no começo do blog. Eram os únicos vestidos que tinham me chamado atenção até então (na verdade, até agora...).
Mas acabei, na pressão (e só porque lá encontrei o que eu tava procurando), reservando o vestido. Marcaram uma prova, incrivelmente, pra semana seguinte (o maior caô, claro), mais pra me segurar mesmo...
Naquela tarde, fui na Belle Sposa assim mesmo. Sem comentários. Devia ter começado por lá, mas seria uma pessoa muito mais desfalcada hoje em dia... Os vestidos são maravilhosos!!! A qualidade, impecável, o caimento incrível, tudo tudo tudo! Amei. Mas os preços são altos. É caro, mas compensam, sinceramente.
Se não tivesse reservado o vestido na Gata's Noivas, por muito menos, eu fecharia com a Belle Sposa na hora, sem nem pensar duas vezes. Não importa o quanto fosse custar. Mas agi um pouco mais racionalmente e mantive o vestido lá, pensando seja o que Deus quiser. Também tava louca pra tirar essa pendência da minha lista e partir pra outras coisas. Quem mora longe, tem pressa de resolver as coisas.
Depois li, no orkut, um depoimento de uma noiva que teve problemas com a loja onde fechei o vestido. Mas até aí, li tb outras noivas contando que tiveram problemas com lojas maiores, até com a Nova Noiva mesmo.
A questão é que me falaram que eu poderia escolher entre todas as rendas que me ofereceriam e me trouxeram uma só. Como gostei daquela, nem pedi pra ver outras, pra não confundir mais e ficar em dúvida. O bordado também disseram que eu poderia escolher entre vários, mas a bordadeira fez um bordado lá rápido e eu disse que tava legal, mas pedi pra usar o mínimo de brilho...
Aí, quando fui provar o vestido, tendo que viajar de Brasília pra SP, achando que ele já ia ter aplicações.... Nada. Tava igualzinho antes. E, pior, o bordado na renda era todo prata, super brilhante. Quase tive um troço, juro! Já fui pedindo pra tirar o brilho, usar a pedrinha leitosa, que vou casar de manhã e tudo mais. Mas fiquei super ressabiada.

O pior é que marcaram minha prova pro dia 08/09, só 20 dias antes do casamento. Imagina só se tá tudo errado?! Liguei depois lá e pedi pra anteciparem a prova "pelamordedeus", porque nada tava do jeito combinado mesmo e eu ainda queria provar o vestido com o sapato e os brincos que comprei. Aí, antecipei pra segunda-feira que vem, dia 25. Torçam pra estar tudo certo, pq não tenho forças e nem paciência pra ficar brigando com loja não....
Nessas, tive a crise do vestido. E comecei a questionar porque mudei de idéia quanto ao vestido inicial. Se não tivesse tão perto e não tivesse tudo pago, eu acho que mudaria tudo de novo, radicalmente...
Mais notícias sobre o vestido, eu nem posso dar, porque o noivo fica lendo o blog e reclamando que eu alfineto ele. Também, pudera, onde já se viu ele ficar querendo saber como vai ser o meu vestido! Pffff!
Beijocas mil.

Bem Casados

Continuando com a história quase cronológica das correrias pro casamento, pulo pro capítulo do bem casado...

É pra quem gosta. Além de tradicional, é um doce delicioso, mas sai caro e, às vezes, não cabe em qq orçamento.

Pessoalmente, eu amo bem casado! E meu noivo é louco por doce de leite, então não podia faltar. Mais pelo doce que pela tradição. E o legal é que acaba "ornando" muito bem com a decoração...

Começamos a pesquisar e nos assustamos com os preços. Começou com 1,50 a unidade e foi a limites nunca antes imaginados. Encontramos, sim, valores menores. Até 1,00 a unidade. Mas daí a valer à pena... Tem economia que é burra, né?!

Então, concluímos que o importante pra gente seria o doce. Se é pra mandar fazer, faríamos um doce bom, se não era melhor não fazer. Da mesma forma, se é pra faltar, é melhor nem ter, certo? Vão reclamar de qq jeito, então é melhor não ter do que as pessoas verem e ficarem com vontade, se não puderem provar...

Experimentamos vários. Mal me lembro, sinceramente, de todos. Até mesmo porque em Abril eu tive que reconhecer que não sou super-mulher e não ia conseguir ver e experimentar pessoalmente tudo pro meu casamento. Aí, deleguei a função dos bem casados pra minha mãe. Mas, no fim, ela sempre pegava o doce e levava pra casa pra eu experimentar no final de semana. E como na Conceição demorava muito pra conseguir uma data, ela marcou prum sábado, para eu poder ir com o Vitu.

Lembro de ter experimentado o bem casado da D'Paula (http://www.dpauladoces.com.br/) e da Oficina do Açúcar (http://www.oficinadoacucar.com.br/) em uma feira de noivas. Neste último, os preços eram bons e o sabor do doce muito bom. Recomendo!

Mas o primeiro bem casado que eu adorei mesmo foi o da Emília (http://www.emiliabemcasados.com.br/), que também foi praticamente o único bem casado que provamos com recheio saboroso, de doce de leite de verdade. Adoramos. Como tínhamos horário marcado na Conceição ainda, fomos até lá e também gostamosm muito do bem casado de lá (http://www.conceicaobemcasados.com.br/).

Apesar dos bem casados da Conceição terem toda a fama que têm, preferimos ficar com a Emília. E não apenas por economia. É uma questão de gosto mesmo, não tem jeito, só provando pra saber e, ainda assim, a avaliação é muito pessoal. Eu gostei bastante do bem casado da Conceição, mas ele é bem doce, temuma casquinha de açucar por cima e o recheio é mais suave, um creme branco. O da Emília tem menos açúcar em volta e o recheio é mais saboroso, com mais gosto de doce de leite mesmo. Financeiramente, enquanto os da Emília custavam 1,49 a unidade, os da Conceição custavam 2,10. Isso, claro, as embalagens mais simples, pois ambas possuem bem casados beeeem mais caros, com embalagens mais elaboradas.

Assim, escolhemos o bem casado que mais gostamos e aina tivemos a sorte dele ser o mais em conta. :o)

Sobre a embalagem, como minha decoração será toda em branco e amarelo (cor alegre, viva, que simboliza a energia, a vitalidade e a amizade), escolhi a embalagem mais simples mesmo, crepom nacional com fita de cetim nº 01, pois a embalagem vai pro lixo, com certeza. A fita, que eu ia pegar amarelinha clara, acabei optando por escolher metade de cada tom. Vai ficar um montinho de bem casados em "ton sur ton", amarelo 'bebê' e amarelo 'ouro'. Dá pra visualizar? Eu consigo, incrivelmente!

Agora a questão mais delicada de todas: quantidade de bem casados. Eu queroa 3 por pessoa. Conversando lá na Emília, a Andréa, que me atendeu, disse que o razoável seria de 1,5 a 2 por pessoa, pois nem todos levam e, claro, outras levam demais. Se os bem casados fossem distribuídos ao final, 1,5 e, se ficassem disponíveis por toda a festa, 2. Optei por 2, porque quero deixar a mesa montada o tempo todo, pra que as pessoas se sirvam à vontade. 3 também deve ser uma quantidade razoável, mas considerando que homem quase nunca leva pra casa, acho que 2 por pessoa é bem razoável. Isso, por experiência própria: eu sempre pego 2 bem casados e o Vitu nunca pega nenhum. O pior é que depois fico com dó e entrego o meu segundo pra ele... hehehehe

Enfim, sobre o assunto é isso. Se eu lembrar de mais alguma coisa, volto a escrever!

Bjks.
Obs: crédito da imagem - site da Emília Bem Casados.

www.casamentonocampo.net

Tô me sentindo órfã com o site fora do ar. Fico pensando se a Liz tá sabendo, mas não quero incomodar ela com isso. O casamento dela é neste final de semana, imagina só a loucura!

Mas o site tem tudo e no fórum eu conseguia resolver tanta coisa... Saudades das meninas e dos papos de lá... :o(

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Casamento Civil

Casamento civil é algo que todo mundo procura saber, mas nunca sabe muito bem por onde começar.

Então, serviço de utilidade pública: casamento civil - como fazer?

Bom, vou começar com a minha experiência, porque é sempre mais fácil visualizar um caso prático. Vou fazer um resuminho de algumas coisas depois, pra ver se facilita a compreensão.

Começando pelo começo, pra casar no civil é preciso fazer um procedimento chamado habilitação. Pra isso, os noivos devem comparecer no cartório de registro civil do lugar em que moram para dar entrada. Sim, cada um pode fazer sua habilitação em um lugar diferente. Se valhe à pena, não sei. Sinceramente, não entendi bem se demora mais ou não. O certo é que eu e meu noivo fizemos nossa habilitação no cartório de pirituba, bairro onde nasci e sempre vivi até vir pra BSB. Por que?

Bem, porque as pessoas podem ter mais de um domicílio, então elas escolhem um deles. No nosso caso, escolhemos pirituba porque entre santo andré, brasília, embu e pirituba, nos pareceu o lugar que seria mais simples.

Para a habilitação, então, é preciso comparecer pessoalmente, portanto RG original (carteira de motorista serve!) e certidão de nascimento atualizada. Por que atualizada? Pra provar que a pessoa é solteira. Se for divorciado, levar a certidão de casamento com a averbação do divórcio. É também preciso que duas testemunhas compareçam, munidas de RG.

O procedimento é simples: a habilitação é a demonstração da intenção de que aquelas pessoas querem se casar e a comprovação de que elas podem, juridicamente, se casar. Isto significa não ter nenhhum impedimento legal para o casamento. As testemunhas servem para isso: para atestar que aquelas pessoas que pretendem casar não são, por exemplo, irmãos ou já estão casados (lembrando sempre que a bigamia não é admitida no Brasil).

O cartório tira cópias autenticadas de todos os documentos, colhe assinaturas e abre firma de todos (noivos e testemunhas), já registra o regime de bens que o casal vai adotar e se haverá mudança no nome de algum dos nubentes. No meu caso, vou continuar usando o mesmo nome, por vários motivos que depois explico com mais calma....

Claro que isso exige o pagamento de uma taxa referente às cópias autenticadas, à abertura de firmas e à publicação do edital. As taxas são isentas para pessoas comprovadamente pobres. Do contrário, variam de acordo com a tabela praticada em cada estado. Os editais são os famosos "proclamas". O cartório providencia a publicação no diário oficial da intenção daquelas pessoas de se casarem para que, se houver algum impedimento, qq interessado possa impugnar em 15 dias, salvo engano. Não havendo impugnação, o promotor se manifesta e o juiz autoriza o casamento.

Os impedimentos e as causas suspensivas do casamento são indicados no Código Civil, nos artigos citados abaixo, apenas a título de curiosidade:

CAPÍTULO III
Dos Impedimentos
Art. 1.521. Não podem casar:
I - os ascendentes com os descendentes, seja o parentesco natural ou civil;
II - os afins em linha reta;
III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do adotante;
IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau inclusive;
V - o adotado com o filho do adotante;
VI - as pessoas casadas;
VII - o cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu consorte.

Art. 1.522. Os impedimentos podem ser opostos, até o momento da celebração do casamento, por qualquer pessoa capaz.
Parágrafo único. Se o juiz, ou o oficial de registro, tiver conhecimento da existência de algum impedimento, será obrigado a declará-lo.
CAPÍTULO IV
Das causas suspensivas
Art. 1.523. Não devem casar:
I - o viúvo ou a viúva que tiver filho do cônjuge falecido, enquanto não fizer inventário dos bens do casal e der partilha aos herdeiros;
II - a viúva, ou a mulher cujo casamento se desfez por ser nulo ou ter sido anulado, até dez meses depois do começo da viuvez, ou da dissolução da sociedade conjugal;
III - o divorciado, enquanto não houver sido homologada ou decidida a partilha dos bens do casal;
IV - o tutor ou o curador e os seus descendentes, ascendentes, irmãos, cunhados ou sobrinhos, com a pessoa tutelada ou curatelada, enquanto não cessar a tutela ou curatela, e não estiverem saldadas as respectivas contas.
Parágrafo único. É permitido aos nubentes solicitar ao juiz que não lhes sejam aplicadas as causas suspensivas previstas nos incisos I, III e IV deste artigo, provando-se a inexistência de prejuízo, respectivamente, para o herdeiro, para o ex-cônjuge e para a pessoa tutelada ou curatelada; no caso do inciso II, a nubente deverá provar nascimento de filho, ou inexistência de gravidez, na fluência do prazo.

Art. 1.524. As causas suspensivas da celebração do casamento podem ser argüidas pelos parentes em linha reta de um dos nubentes, sejam consangüíneos ou afins, e pelos colaterais em segundo grau, sejam também consangüíneos ou afins.

Ultrapassada a habilitação, é possível "contrair matrimônio". Para o casamento no cartório, é preciso que, com os noivos, compareçam duas testemunhas. Casamento realizado em diligência (fora do cartório) exige a presença de quatro testemunhas e portas abertas, já que é uma cerimônia pública.

A certidão de habilitação vale por 60 (sessenta) dias e, após sua emissão, deve ser levada ao cartório em que se pretende casar, caso o casamento ocorra em local diverso da "jurisdição" territorial do cartório. Ou, então, na igreja, quando se pretende realizar casamento religioso com efeitos civis.

No meu caso, fizemos a habilitação no cartório de Pirituba, em São Paulo (capital) e teremos que levar a habilitação no cartório de Mairiporã, pois iremos casar naquele município, na Grande São Paulo, na Serra da Cantareira, em diligência. A taxa para o casamento em diligência é maior, mas, no final, compensa, pois não iremos pagar taxa de igreja, casamento religioso, mestre de cerimônias, nem nada do tipo.

Antes de fazermos tudo, ligamos no cartório de Mairiporã e o Roberto, muito simpático, agendou o dia e o horário do nosso casamento, pra não correr o risco de levarmos a habilitação lá e eles não puderem fazer a cerimônia em diligência.

Ah, importante, as testemunhas do casamento não precisam ser as mesmas da habilitação. Cada uma delas tem uma função diferente. Na habilitação, é provar que não há impedimento para o casamento. E na cerimônia e atestar que os noivos se casaram de livre e espontânea vontade, assim como demonstrar a regularidade do feito.

Para mais informações, tem um site que traz alguns esclarecimentos a respeito do assunto de forma bem sucinta, mas clara: http://www.casamentocivil.com.br/. Lá tem, inclusive, informações sobre casamento por procuração.

É isso. Espero ter ajudado um pouco!

Corrida contra o tempo. E contratempos.

Pois é, tá chegando galeraaaa!
E ainda tenho tanta coisa pra contar...hehehe
Enfim, tá dando frio na barriga. Penso às vezes que faltam muitos detalhes ainda. Depois, penso que são simples detalhezinhos, coisa de nada. Simples de resolver.

O triste é chegar tão perto e ainda ter que resolver a questão da maldita tenda que custa 500 reais que ninguém me avisou quando fechei o contrato. Mas tb não quero convidado torrando no sol ou, então, tomando chuva (toc, toc, toc, nunca se sabe!).

Isso sem falar no querido cabelereiro que decidiu mudar de salão. Tô na mão. Ainda preciso resolver se continuo com o salão ou se sigo o cabelereiro. Sem qq garantia de que ele vai continuar onde ele está, né?! Vai saber...

Ah, isso sem falar que eu não tenho muita idéia de como quero meu cabelo no dia. Eu preciso saber pra, pelo menos, não usar qq coisa que qq cabelereiro quiser, né?!

E bebida, então, nem decidimos direito! Nem colocamos no cardápio, pra não ter confusão. Aliás, o cardápio é outra coisa da Fujita que preciso postar aqui. Uma obra de arte! Lindo! E ela ainda desenhou os noivinhos, quer dizer, o noivinho, de óculos. Eu vou casar de lente, então tudo bem! hehehe

Ai ai ai. Neste finde, vou pra SP pra resolver as pendengas do dia da noiva e da bebida e tenho prova do vestido na segunda. E marquei dentista e médico. E ainda vou procurar brincos pra mim, sapato pra minha mãe e não posso deixar de entregar convites. Será que eu consigo dormir?

Bjks.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

O Convite mais lindo do Mundo!!!!

Acho que entendi o problema... Não sei porque (ainda estou me habituando ao blogger...), não consigo postar figuras em tamanho médio, só pequeno...
Resolvido isso, segue abaixo o maravilhoso envelope do meu convite (espero que dê pra ver...):

E aqui embaixo segue o convite propriamente dito:

E a frase, como não deve dar pra ler, que eu escrevi pra ficar ali em cima (enoooorme) tem tudo a ver com a nossa história e não poderia ser melhor:

Quando uma alma é dividida, ela tende a reencontrar sua outra metade sob a forma de amizade ou de amor. Sorte daqueles que têm em seu amor também seu melhor amigo. Têm o mais puro e verdadeiro sentimento. Nem o tempo ou a distância são capazes de separar aqueles que se pertencem, pois eles se completam e são, em essência, um só.

Vi em um desses blogs que adoro fuçar um concurso da melhor frase para convite de casamento. Sorry, mas a melhor é a minha, modéstia à parte! :o))

Beijocas.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Erro no blog

Poxa vida, tô tentando postar meu convite aqui, mas o blogger não tá deixando baixar arquivos... erro interno! Que caca! :o(

A Busca (e o encontro) do Convite Perfeito!!!

De tudo, acho que a coisa que eu mais queria escrever, há muuuuuito tempo, era sobre os convites do casamento.

Juro que mal me lembro os lugares que pesquisei direito. Mas ainda bem que lembro de alguns pra dizer aqui, se não vai ficar a maior propaganda de onde eu fechei... Aliás, engraçado como lembrei de mais lugares só de fazer um exerciciozinho de memória... Uau!

Então, o primeiro lugar em que fomos foi a Casa dos Convites (
www.casadosconvites.com.br), na Mooca, meio que por acidente. Nosso fotógrafo é ali do lado, não tinha como não passar ali.... Lá tem uma variedade bem grande. Vi vários convites interessantes, pedi alguns orçamentos, achei umas coisas meio caras, mas não encontrei nada que eu achasse lindo, que quisesse daquele jeito!

Parênteses para a explicação: não queria um convite tradicional, pra começar por aí. Isso porque meu casamento não é nada tradicional e já queria que as pessoas tivessem idéia de como seria o clima da festa assim que recebessem o convite. Queria algo quadrado e não retangular. Nada de cores fortes. Pro campo, o máximo que achava eram umas folhas secas horrorosas ou papel reciclado. O papel reciclado eu até gosto, mas a maioria só finge que é reciclado, né?! Uma coisa interessante, mas que eu não usaria era a folha de madeira, achei bem diferente... Mas não queria nada rústico. Ao contrário, meu convite tinha que ser sofisticado, mas simples, delicado e bonito, como tudo que escolhemos pro nosso casamento...

Aí, fica difícil demais encontrar isso em um lugar que vende convites com cara de gráfica de cartão de Natal, né?! Mas eu acreditava que poderia encontrar... Nunca se sabe, né?! O convite com folha de madeira, diferentíssimo, era da Anne Mello (
www.annemelloconvites.com.br), que fomos visitar porque é na Freguesia do Ó, bairro que adoramos em Sampa (onde fica o Frangó! Hehehe). A maioria dos convites de lá têm o mesmo modelo, é só olhar no site. Mas achamos que lá tínhamos um pouquinho de espaço para criarmos algo diferente, ao contrário da Casa dos Convites... O convite dela que eu gostei mesmo foi com papel artesanal (abaixo). Mas quando fui lá não tinha mais.... Ah! A Anne Mello foi indicada pelo Espaço Itália. Se não me engano, ela se casou lá também...



Fomos também no Crip Convites (
http://www.cripaqui.com.br). Lá foi um dos poucos lugares que eu gostei. Também teríamos liberdade pra criar alguma coisa e a variedade de convites é bem grande. Gostei de alguns, mas não ameeeei nenhum em particular. Dos que gostei, o mais diferentinho foi esse:



E um dos que gostei tb era esse, mas era meio tradicional...


Fomos também no Casablanca (http://www.casablancaconvites.com.br/), mas o site é melhor que a loja. O atendimento foi morno, como na Casa dos Convites. A variedade não é das maiores, mas a qualidade de alguns convites impressiona... Não me lembro de ter gostado de alguma coisa lá, sinceramente...

Agora, o incrível mesmo (mais que eu lembrar, agora, dos lugares que visitei), foi a indicação da Liz, do ateliê da Susana Fujita (
www.susanafujita.com.br). Dei uma olhada no site e, como tinham dito que era caro, não fiquei super empolgada... Achei os convites bonitinhos, mas muito delicados, o que não é ruim, mas já tava me acostumando com a idéia de ter um convite comum, com cara de gráfica.

Aí, marcamos um horário e fomos lá. Ainda bem! Ver os convites no site e achar delicados não é nada perto de ver os convites dela ao vivo. Eles são simplesmente maravilhosos!! Impossível não gostar! São apaixonantes... Amamos, pedimos vários orçamentos e – óbvio – resolvemos fechar com ela...

Perguntei pra ela se daria pra fazer uma tulipa amarela na diagonal no envelope do convite. Ela disse que faria numa boa. E fez dois modelos de envelopes pra gente escolher, esse com a tulipa e outro com um monograma. Os dois ficaram lindos, mas o da tulipa ficou incrível, indiscutível! Por dentro, escolhemos um modelo com listras coloridas impressas.

A dificuldade é que nossa decoração é amarela e branca. Imagina só o que é fazer um convite amarelo e branco, ainda imprimir o fundo do convite em amarelo e isso ficar simplesmente lindo? Pois é, foi o que a Susana fez!

Eu sempre digo que éramos muito inocentes. Fizemos uma estimativa de custos inicial que estouramos em quase todas as oportunidades... Mas nos convites, a idéia era surreal. Com o que imaginamos, o convite seria péssimo mesmo. Minha mãe ficava dizendo que não valia à pena gastar tanto com o convite, que as pessoas guardam por um tempo e depois jogam no lixo. Mas, sinceramente, o convite é a primeira impressão do evento, de como vai ser a festa. Se for ruim, não mostra o que queremos mostrar.

E aí, acabamos fazendo os convites com a nossa cara e com a cara da festa. Todos os detalhezinhos foram muito bem pensados por nós e cuidados pela Susana. Ficaram lindíssimos. O incrível é que a gente planeja tanto, gasta tanto e o convite foi a primeira concretização material do que planejamos por tanto tempo. Até hoje, ficamos bobões com nosso convite. E não teve uma pessoa que não elogiou. Todos amaram! E até homem, que não costuma reparar ou falar isso, disse que era muuuuito delicado e de bom gosto... Eu sei! E por isso recomendo! Se precisar de convites, pra qq coisa, é com a Susana que eu farei, sempre! :o)


Mais presentes!!

Eba!!!


Mais presentes...


Jogo de massa:


E sanduicheira!!!



Espero que as cotas de lua-de-mel estejam a todo o vapor! :o)

Papo (furado) de vendedor

Como eu já disse, resolvi, em Janeiro, casar no final de Setembro...

Parecia uma tarefa estilo Missão Impossível: casar em menos de um ano. Pelo menos, era o que as lojas que eu visitava tentavam me fazer acreditar....

Mas hoje posso dizer com absoluta tranquilidade que isso, como eu imaginava, é o maior papo furado... É possível resolver tudo quando e como quisermos, com a maior tranquilidade.

Claro que é possível que você encontre um profissional excelente e disputadíssimo que pode estar com a agenda cheia se deixar pra resolver tudo na última hora... É esse o risco: diminuir as possibilidades. Mas não quer dizer que é impossível encontrar tudo em pouco tempo. O problema sempre é só o dinheiro pra pagar... Mero detalhe...hehehe

Eu e meu noivo temos recebido muitas ligações nas últimas semanas de gente querendo saber se a gente resolveu, p.ex., a locação do carro, o dia da noiva, etc... Isso só prova que não precisaríamos correr taaaanto assim... Mas claro que pra gente foi bom fechar as coisas de acordo com um cronograma, de forma mais tranquila...

E olhem que eu me caso em Setembro, que é um mês super concorrido. Tudo bem que é num domingo, que é um dia beeem morto pra esse povo do "ramo" de casórios... Mas de qq forma, é interessante ver que - como imaginávamos - esse negócio de correr, correr, correr é papo de vendedor. Dá pra fechar tudo com calma, tranquilidade e sem cair em pressão de vendedor(a).

Beijocas mil!

Ps: esse post tinha sido completamente escrito - e de forma beeem melhor - mas eu perdi tudo!!! Maldito Blogger que salva o "rascunho" em branco, logo que tudo se apaga da tela! Hmpf...



sábado, 16 de agosto de 2008

Cielo

(Pausa para comemorar a medalha de ouro do César Cielo. Incrível! :o))

Obs: isso foi escrito à 00:50. O "fuso"do blog é estranho...

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

E a música?

Demoramos muito pra escolher as fotos, como eu disse. Só fechamos o contrato no meio de Março (literalmente, no dia 15...).

Aí, o próximo passo seria a música. Mas acabamos meio que começando a atirar pra tudo quanto é lado, procurando tudo o que fosse possível, ainda que nossa prioridade fosse fechar a música do evento.

Isso porque música pra mim tb é muuuuuito importante. Primeiro foto, depois música e o resto é perfumaria, pode ficar pra depois...hehehe

Eu queria música ao vivo na cerimônia, apesar de não ser religiosa, mas pra dar aquele climão no campo e tudo mais. E queria banda pra festa, pq banda anima demais, né?!

Os orçamentos de banda ficavam todos em torno de 5/6 mil reais! Sem condições. Orçamos DJs tb. Precisávamos de um telão e boa parte dos DJs tem telão tb. Ah, sim, porque ganharíamos o telão da Cimagem, mas como o casamento é de dia, eles não ofereceram porque achavam que o telão não funcionaria bem por causa da claridade. Depois conto como resolvemos isso... Sim, pra tudo tem solução! Ainda bem, né?!

Passamos a pesquisar músicas pra cerimônia. O primeiro lugar que orçamos foi o De Mani (
www.demani.com.br), pois estudei, há muitos anos, com uma das solistas de lá e seria bem legal se ela cantasse no meu casamento, embora minha idéia inicial fosse da música ser só instrumental. Mas sem chance. Muuuuuito caro. Fora do nosso orçamento. Fora que o cd que eles oferecem “gratuitamente” eles só dão depois do contrato. Antes disso, só comprando... Acho meio complicado esse negócio de pagar para conhecer um trabalho. Enfim...

Assistimos a apresentações da Toccata (
www.toccata.com.br) e do Minuetto (www.minuettoorquestraecoral.com.br) em casamentos, ao vivo. Do Lúmen (www.musicalumen.com.br), em uma apresentação que eles fazem normalmente ali perto do shopping metrô santa cruz.

Até então, achamos tudo muito parecido e eu iria escolher pelo preço. Até os preços praticados e as formações eram bem semelhantes. Por mim, um violino e um sax bastariam, pois são os instrumentos que mais gosto. Em algumas apresentações, só se ouvia o teclado e, em outras, só a percussão. Não havia curtido muito, mas como tudo era muito parecido mesmo...

Até que, não muito animada, resolvi aceitar um convite para assistir a uma apresentação de uma orquestra que eu tinha pedido orçamento, por causa da insistência do noivo. Fomos, então, em um domingo pela manhã, a São Bernardo do Campo assistir ao ensaio da orquestra Versolato (http://www.versolato.com/).

Cheguei lá e já dei de cara com um violoncelo, coisa que eu não tinha visto em nenhuma formação até então. Confesso que isso já me impressionou bastante. Mais ainda me impressionou a harmonia dos instrumentos. A melodia de tudo junto, nem o teclado e nem a bateria se sobressaiam de forma exagerada. Adoramos muito! Absolutamente tudo o que era tocado ficava perfeito. Fora que a organização me pareceu excelente e os músicos, bastante profissionais.

No mesmo dia, depois do almoço, tínhamos uma apresentação em São Caetano. Era do Coral e Orquestra Best Seller. Chegamos lá e a diferença era brutal. O que não significa que era ruim, pelo contrário. Só que o ensaio, realizado na garagem de uma casa bem confortável em um bom bairro de são caetano, tinha uns 18 músicos. Sem brincadeira. Uma solista, um tenor, uns 4 metais, seis vocalistas do coral, etc... O som tirado ali é muito bom, super harmônico também. Mas beeeeem metaleira. Por “metaleira”, entendam que eu falo de sax, trompete, trombone e instrumentos desse tipo. Muito legal, mas não era isso o que eu queria...

Assistimos também à apresentação do Jund Brass (
www.jundbrass.com.br) ao vivo, em um casamento no Ravena Garden, na Serra da Cantareira. Eles também são excelentes. Ficamos um pouco divididos, mas acabamos fechando com o Versolato mesmo (“o” porque o maestro é o Júlio Versolato).

Se não fechássemos com ele, ficaríamos com o Jund Brass, que nos pareceu incrível também. Mas o Versolato foi uma espécie de “amor à primeira vista do violoncelo”. Mesmo sendo um pouco mais caro que os outros, optamos por ficar com eles pela harmonia e qualidade do trabalho.

A formação que escolhemos foi exatamente a que assistimos no primeiro dia em que fomos lá: teclado, percussão, violoncelo, violino, flauta e instrumentos de sopro (trombone, trompete, de acordo com a música). São sei músicos. Quem faz os instrumentos variados de sopro (os metais, na verdade) é o próprio Versolato. Quase que fechamos com vocal também, pois os solistas são inacreditáveis. Cantam tudo e muito bem!

Aí, vem a loucura. Ele também tem uma banda que toca na festa e o preço era inferior à média do mercado. Conversamos com ele sobre servirmos um almoço e ser complicado começar a balada cedo. Ele disse que tocaria, durante o almoço, umas musicas mais suaves, pra não ter festa e almoço ao mesmo tempo... A formação da banda agradou demais: bateria, baixo, teclado, dois vocalistas e... saxofone! Amei, né?! Assistimos apenas a um vídeo no computador dele e acabamos fechando, sem nem assistir a uma apresentação da banda. Espero que a gente não se arrependa disso! :o)

Casar à distância é duro por causa disso. A gente faz mil planos, quer ver milhares de coisas, mas não dá pra fazer do jeito que queremos. Abdicamos de algumas coisas, então. E, às vezes, cansamos de tanta correria e acabamos optando pela comodidade de contratar mais de uma coisa em um único lugar. Foi o que aconteceu. Isso, claro, acreditando que a banda é de excelente qualidade, pelo próprio Versolato, que nos pareceu um cara super “ponta firme”.

Nessas de correria, lembro de três outros lugares que orçamos, mas acabamos nem conhecendo melhor o trabalho. O Coral Del Chiaro (
www.coraldelchiaro.com.br), o Dolce Cantabille (www.dolcecantabille.com.br) e o Fermata Eventos (www.fermataeventos.com.br). Este último tinha preços bons, o do meio, razoáveis e o primeiro o custo era bem alto e as formações também não eram muito simples. Da Fermata, eu lembro de ter ouvido algumas músicas no site e não ter gostado muito, mas a gente sabe que ouvir pela internet não chega nem perto do que realmente é a música ao vivo, né?! Ficam aí as dicas...
Aí, tivemos o pequeno problema de não termos telão. Mas isso é outra história... E os orçamentos dos DJs ficaram guardados para a posteridade... Afinal, nunca se sabe quando vamos precisar, né?! ;o)


Mil coisas

Faz pouco tempo que retomei a mania de "bloggar" e já tô toda viciada novamente...
Acabei de instalar o contador aqui. Perdi algumas visitas, mas blz. O importante é saber se tenho alguma visita ou não. Se bem que, no fundo, quando "bloggamos" acabamos escrevendo, muitas vezes, para nós mesmas, não é?
Enfim, mil coisas acontecem. Tudo dá certo no final. É sempre isso que espero!
O lugar do casamento, que era a principal coisa, que não podia nos desapontar em momento algum, nos deu o maior susto com o pagamento de uma "taxa" de 500 reais pelo aluguel da tenda da cerimônia. Sem avisar isso quando contratamos. Depois conto com mais detalhes.
Agora, a novidade foi o cabelereiro que fechei sair do salão. Das duas uma, posso rescindir o contrato e fechar com o salão onde ele está atualmente (que eu não fechei justamente por causa dele, que tava em outro salão) ou, então, permaneço no salão com outro cabelereiro...
Quero contar tudo em detalhes, com calma, mas agora tá muito tarde pra isso. Amanhã, acordo cedo. Hmpf.
Bjks.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Formatação...

Tentei consertar mil vezes a formatação do último post, mas não houve meios!
Primeiro, que o texto não ficou justificado nem a pau. Só no formulário de postagem. Basta publicar, pra entortar toda a margem do texto... Hmpf!
Depois que parte do texto tem um espaçamento e a outra parte tem outro... Que horror! Coisa feia...
Só quis registrar que isso não é desleixo meu não, viu?! Eu sou chata pra caramba com isso. Por isso mesmo, o blog quis um post todo torto...hehehe
Bjks

Por que escolhemos "x" empresa de foto e filmagem?

Então, essa é uma boa questão pra se pensar. Rodamos muito, fomos bem atendidos, vimos muita coisa boa e, considerando que a onda agora é fotojornalismo, fica difícil ver coisas muito diferentes umas das outras.

Os detalhes dos trabalhos é que variam. O formato tá bem igual hoje em dia.

No nosso caso, houve um conjunto de fatores:

1 - fomos muito bem atendidos pelo Ricardo Kataoka em uma feira de noivos.

2 - a qualidade do material com que eles trabalham pareceu inigualável. Ao menos, aos olhos de nós, leigos.

3 - a montagem dos álbuns tem tudo a ver comigo. Há fotos posadas, mais tradicionais, e fotos espontâneas - fotojornalísticas -, sem que haja muito exagero. O design das páginas dos álbuns é de incrível bom gosto e, pelo menos nos melhores álbuns, não há aquele amontoado de fotos juntas. Exemplo de uma página de álbum do site deles:

4 - o vídeo pareceu bem editado, o menu é animado e tudo mais. Contém tudo aquilo que achamos ser necessário.

5 - a variedade de serviços nos pareceu boa. o vídeo possui um clipe de melhores momentos, é dividido em capítulos, o pacote que fechamos tem o famoso "kit sogra" (uma das maiores invenções que já inventaram, na minha humilde opinião...), fechamos com eles também as fotolembranças e o quadro pra entrada (tinha banner e totem) e, ainda, o livro para assinaturas, encadernado em capa dura e com um acabamento primoroso.

6 - nem sempre a gente consegue explicar a empatia que temos com alguma pessoa ou com algum tipo de produto/serviço. Só nos pareceu, desde o começo, perfeito pro que esperávamos. Gostamos do tipo de trabalho deles e queremos um álbum no molde dos que eles fazem. Mas claro que o nosso vai ser o melhor de todos!!! :o)


7 - Ah, sim, o principal, o custo-benefício é excelente. Pelo menos, é o que nos pareceu. Não é barato, claro, como tudo o que é bom, mas até este momento achamos que vale à pena.

Esperamos manter a excelente impressão depois do casamento, né?! ;o)

Obs: todas as fotos são do site da Cimagem (http://www.cimagem.com/)